Bairrismo à portuguesa.


Bairrismo à portuguesa.

O pessoal nascido na capital portuguesa costuma dizer que a coisa mais interessante que há no Porto é a estrada que leva a Lisboa. Não posso confirmar essa afirmação. Não conheço a estrada. As duas vezes que lá estive cheguei de comboio na bela Estação de São Bento inaugurada em 1916. Os painéis de azulejos que cobrem a extensão total do hall central registram entre outras preciosidades a entrada de D. João I e de D. Filipa de Lencastre na cidade em 1387; a conquista de Ceuta de 1415, ou ainda, a apresentação de Egas Moniz de Riba Douro ao rei de Leão. O conjunto da obra é um regalo para os olhos.

São Bento

Ponto de partir e de chegar para os diversos recantos da cidade não é, parece-me, um não lugar. É um lugar com encantos, encontros, sorrisos, abraços e prantos. A estação é linda e de lá chega-se a qualquer lugar da cidade. Se subir a Rua 31 de Janeiro, chega-se ao Largo da Batalha, à igreja de Santo Idelfonso, ao teatro nacional São João. Subindo à esquerda, colado à Livraria Latina, o café no Majestic, a nossa Colombo, é parada obrigatória. Se subir a rua Santa Catarina – quase paralela à rua da Alegria – chega-se à capela das Almas construção do século XVIII,  com uma fachada de azulejaria portuguesa do início do século XX assinada por Eduardo Leite:  http://www.portopatrimoniomundial.com/capela-das-almas.html.

Igreja bolhão

Pois é, se resolver ficar à noite pelo bairro do Bolhão, na mesma rua Santa Catarina é possível frequentar, quartas e sábados um fado vadio no restaurante A Rampinha.

Da estação do Bolhão, descendo pela rua Fernandez de Tomaz no sentido Trindade, comparece, majestosa, a Câmara Municipal do Porto. Subindo, Cedofeita, Trindade e Lapa. Descendo, pela Av. dos Aliados, se apresenta a bela à sinuosa rua das Flores, por onde, assim como quem não quer nada se vai até o cais da Ribeira.   Majestic café

Do outro lado do rio Douro está a simpática Vila Nova de Gaia, com seu convidativo conjunto de adegas de vinho do porto. Por aqui também o bairrismo se faz presente: a melhor coisa de Gaia é a vista do Porto. Me rendo às evidencias e concordo, não sem antes sorrir lembrando de Niterói.

Anúncios

Sobre jorgesapia

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense , Mestre em Sociologia pela Sociedade Brasileira de Instrução - SBI/IUPERJ (2004). Professor temporário da UFRRJ e da Universidade Estácio de Sá e do IBMR. Atuando principalmente nos seguintes temas: direitos humanos, violência, cidadania, carnavalização.
Esse post foi publicado em Cidade, Crônicas e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s