V Congresso Internacional de História – Simpósios Temáticos – 19. Entre novas epistemes e narrativas – apropriações teórico-metodológicas, produção de artefatos historiográficos e inovação na historiografia (brasileira).

Fonte: V Congresso Internacional de História – Simpósios Temáticos – 19. Entre novas epistemes e narrativas – apropriações teórico-metodológicas, produção de artefatos historiográficos e inovação na historiografia (brasileira).

Carnaval na rua

O carnaval já começou e a disputa pela ocupação das ruas está em alta. Além das disputas judiciais entre Ministério Público, Bombeiros, Município e Blocos, há outra disputa nas ruas da cidade. Trata-se da escolha da musa ao carnaval de rua que encerra no feriado de São Sebastião.

Este blog apoia a eleição da candidata Gabriela Estevão e convida os amigos a se engajar, caso desejem, nesse campanha. Evoé.

A votação para musa do carnaval de rua no jornal o globo é online por esse link aqui: http://m.oglobo.globo.com/rio/carnaval/2016/concurso-de-musa-18456313porta bandeira 1gabi meu bem corisco Porta Bendeira foto Claudio Oliveira

Zygmunt Bauman: “As redes sociais são uma armadilha”

“O que está acontecendo agora, o que podemos chamar de crise da democracia, é o colapso da confiança. A crença de que os líderes não só são corruptos ou estúpidos, mas também incapazes.”

Foto: Samuel Sánchez.

Há pouco mais de um mês, Zygmunt Bauman completou 90 anos. Seu fôlego, claro, não acabou, já que foi de sua extrema prolixidade que lançou Estado de Crise, seu mais novo ensaio. As informações são do El País.

Bauman enfrentou os nazistas ao lado do Exército Vermelho, teve artigos censurados na Universidade de Varsóvia, por conta do antissemitismo que mais tarde o obrigou a sair da Polônia, novamente.

Ver o post original 1.327 mais palavras

Lavagem do Adro da Sé. Olinda 2016

 

Lavagem do Adro da Sé em Olinda. Descendo as águas de Oxalá. Ritual anual de purificação e de renovação que reverencia a presença da água, fonte primordial da vida.

A Foi uma das experiências mais intensas que tive a sorte de vivenciar. Obrigado Silvio Botelho,Pepe Jordão , Rodrigues Junior

Fiel é o caralho!

O artigo de Helga Gahyba é de 2011. Não conhecia. Indico a leitura.

Revista Pittacos

Helga Gahyva

Em “A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais”, o teórico russo Mikhail Bakhtin alega a impossibilidade da verdadeira compreensão do sistema de imagens rabelaisiano se analisado fora da linguagem do realismo grotesco, correspondente ao sistema de imagens da cultura cômica popular da Idade Média e do Renascimento.

Segundo Bakhtin, ao tom feudal, sério e religioso, próprio à cultura oficial medieval, contrapunham-se manifestações da cultura popular nas quais apenas por meio do riso exprimiam-se certas verdades sobre o mundo. Relegado à esfera extraoficial, o cômico tinha lugar no carnaval e nas demais festas populares. Se as comemorações oficiais buscavam reforçar a ordem, consagrando sua estabilidade, nas festas populares abria-se espaço para o reino utópico da liberdade, da igualdade e da abundância.

Ver o post original 1.582 mais palavras