Carta aberta ao Secretário Municipal de Transportes do Rio de Janeiro.


Wally busSenhor Secretário Municipal de Transportes do Rio de Janeiro:

Prezado Senhor Secretário, tenho 61 anos de idade, 40 dos quais morando na cidade e utilizando transporte público. Desde o primeiro ônibus que peguei até o último, utilizado ontem para fazer o pequeno percurso de Botafogo a Copacabana, me acompanha a desagradável sensação de me sentir como elo mais fraco uma cadeia de desrespeito permanente. Desrespeito com os usuários e com os trabalhadores do sistema que retroalimentam todos os sentimentos desagradáveis que tomam conta de uns e de outros.

Aos vinte anos achava o transporte, folclórico. Me indagava, porém, se teria, 40 anos à frente, capacidade física e psicológica para enfrentar essas viagens. Hoje, 40 anos depois, constato que não tenho não. Constato que, a despeito dos avanços tecnológicos, o sistema de ônibus do Munícipio é primitivo.  Constato que os trabalhadores sofrem com um sistema que aperfeiçoou os mecanismos de desqualificação do trabalho, que vai, claro, em detrimento do usuário. Como não há fiscalização, nem treinamento adequado, nem ferramentas tecnologicamente desenvolvidas, aumenta a sensação de desamparo e não há clareza a respeito do fato de que os trabalhadores estão prestando um serviço a seus concidadãos.

Os solavancos permanentes causados a cada passagem de marcha daqueles que se julgam a encarnação de  Ayrton Sena e que, na verdade, não passam – com todo respeito – de Rubinho Barrichelo, não provocam maiores traumas, acidentes etc., porque deve existir alguma divindade que se faz presente nesses momentos.

A velocidade excessiva, a falta de cuidados nas curvas e outra quantidade de desrespeitos tornam qualquer viagem uma provação.

Vejo no site da Secretaria que a mesma “é responsável pelos projetos de melhoria da qualidade dos transportes a públicos de passageiros, com o objetivo de promover mais segurança e conforto para população”, logo a secretaria mente, o Secretário, não se responsabiliza e lá vamos nós tentando naturalizar algo que é historicamente construído a partir de uma leitura que faz do usuário um zé ninguém.

Não vou me estender à falta de respeito das catracas, matéria sobre a qual falei em algum outro lugar.

Vejo, no mesmo site que a MISSÃO é “Transformar o sistema de transportes da cidade, de forma que ele passe a oferecer ao cidadão condições de se deslocar com segurança, rapidez e conforto, priorizando o transporte coletivo, preservando o meio ambiente e a qualidade de vida, em sintonia com o projeto de governo da Prefeitura Municipal e em prol do desenvolvimento”.

Percebe-se que a MISSÃO fracassou, e que os responsáveis pelo péssimo e muito bem pago transporte coletivo, não estão nem aí para os cidadãos usuários.

 

Continua o site nos oferecendo mostras claras de um comportamento esquizofrénico presente, também, nos objetivos gerais: “Racionalizar o Sistema de Transportes, promovendo a contínua melhoria dos serviços de Transporte Público e firmar o Transporte Coletivo como serviço público essencial”.

Só para não dizer que não falei de flores, ao tornar, em nome da ordem, homogêneas as cores dos carros, excluíram, numa pincelado só, 31,4 % da população analfabeta que distingue os ônibus pelas cores.

E como minha luz é de LED, ao reproduzir nos letreiros luminosos todo o trajeto realizado pelo ônibus, o usuário fica sem saber se o coletivo está indo ou vindo. Para uma cidade que se prepara para receber um público “olímpico” o excesso de informação é o pior dos mundos.

Para finalizar retiro do site dois dos objetivos específicos só para constatar o diagnóstico realizado acima:

Contribuir para Inclusão Social (principalmente das pessoas com deficiência permanente).
Promover a Estabelecer novo padrão de atendimento (desenvolvimento tecnológico de veículos e equipamentos).

Senhor secretário, não posso lhe pedir que o senhor tenha vergonha pois acho que seria pedir demais.

Peço-lhe simplesmente, que respeite nossos direitos.

Cordialmente

Jorge Sapia

 

PS: Participei hoje, 19 de fevereiro da cerimonia de premiação do concurso Serpentina de Ouro. Um dois premiados é meu parceiro Fábio Conceição, que resume na sua fantasia premiada tudo o que expressei aqui no início da semana. ô sorte.

Anúncios

Sobre jorgesapia

Abduzido pela folia foi tentar entender esse fenômeno no bacharelado de Ciências Sociais da UFF e no Mestrado em Sociologia do IUPERJ. Com sua identidade secreta dá aulas de sociologia, cultura brasileira e Teoria Social do Carnaval em diversas instituições. Entre um semestre e outro, despede-se de seus alunos com um Meu Bem, Volto Já, saudação que acabou dando nome ao bloco que fundou no Leme. Durante o reinado de Momo compõe sambas para diversos blocos da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro.
Esse post foi publicado em Cidade, Direitos, Direitos Humanos. Bookmark o link permanente.

2 respostas para Carta aberta ao Secretário Municipal de Transportes do Rio de Janeiro.

  1. jorgesapia disse:

    Republicou isso em A festa é boa para pensare comentado:

    Participei hoje, 19 de fevereiro da cerimonia de premiação do concurso Serpentina de Ouro. Um dois premiados é meu parceiro Fábio Conceição, que resume na sua fantasia premiada tudo o que expressei aqui no início da semana. ô sorte.

    Curtir

  2. Daisy disse:

    Tão bem relatado Jorgito! Um vexame, um deboche a casa dia…
    Continuamos “Ze ninguém” à mercê das desautoridades públicas.
    Vou compartilhar.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s