Pela defesa da Constituição e do Estado Democrático de Direito


Pela defesa da Constituição e do Estado Democrático de Direito

Li algumas páginas da delação premiada do Delcídio Amaral. Surpresa pouca a não ser o fato de vir à luz a participação da oposição mais ativa na ação de desestabilização do governo desde que o resultado das urnas foi publicado.

É provável que alguns dos fatos relatados não correspondam à verdade, mas a amplitude e publicidade da delação vai balançar o sistema partidário. Some-se a isso a crise de representação evidenciada nos movimentos de 2013 e na rejeição do Áecio, Alckimin e Marta ex-Suplici pelos manifestantes pró-impeachement em São Paulo, para visualizar que o quadro que se apresenta, no futuro mediato e imediato, seja tão desolador quanto o Campos de trigo com Corvos, de Van Gogh, que se materializou no último carnaval carioca de rua pela reinterpretação esperançosa do amigo Betuca no Bloco de Segunda.

Espera-se – e isto só acontecerá com mobilização social – que as investigações não continuem sendo instrumentalizadas politicamente, mas que se apure com a serenidade e imparcialidade que o caso exige*. Imagino que aqui entremos no terreno da utopia, mas lembro que, sem utopia, não se caminha.

O cenário não é dos melhores. Os discursos e práticas de uma direita organizada que nos faz acreditar que a única salvação virá, hoje, travestida de procurador da república e amanhã com as armas permanentes do mercado e da “meritocracia”. Essas leituras alimentam a crença de boa parte dos manifestantes – que não são poucos nem estão destituídos de razão – de que nada presta, a não ser, as alternativas da ordem que possa eliminar o que eles consideram um caos existente.

Um caos que tem nome e sobrenome: movimentos populares, negros, mulheres, homossexuais e, claro, pobres. Todas categorias historicamente excluídas, pela Casa Grande que persiste na nossa classe política e em boa parte da intelectualidade e naszelites.

Vale considerar que o problema não é local, nem responde a pautas essencialmente locais. Boaventura de Sousa Santos mostra que a agressividade da direita é global, a captura de instituições como o judiciário é uma das tácticas em vigor da estratégia geral do neoliberalismo. É a lógica exemplar do Juiz Moro e de outros de menor estirpe como o juiz Cata Preta. É um aparelho judiciário e policial que sempre atuou com dois pesos e duas medidas.

Neste momento em que as forças antidemocráticas mostram com mais clareza ao que vieram é necessário tomar partido, não por este ou aquele governo, mas pela defesa da Constituição e do Estado Democrático de Direito que está sendo desrespeitado cotidianamente pelos arautos do caos cujo braço midiático são as organizações Globo.

Anúncios

Sobre jorgesapia

Abduzido pela folia foi tentar entender esse fenômeno no bacharelado de Ciências Sociais da UFF e no Mestrado em Sociologia do IUPERJ. Com sua identidade secreta dá aulas de sociologia, cultura brasileira e Teoria Social do Carnaval em diversas instituições. Entre um semestre e outro, despede-se de seus alunos com um Meu Bem, Volto Já, saudação que acabou dando nome ao bloco que fundou no Leme. Durante o reinado de Momo compõe sambas para diversos blocos da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro.
Esse post foi publicado em Democracia. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Pela defesa da Constituição e do Estado Democrático de Direito

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s