Não sei, só sei que foi assim!


Inércia, apatia, desesperança, desencanto e medo, traduzem o clima da sociedade brasileira e do Rio de Janeiro em particular.

Nestes tempos sombrios lembrei de um episódio protagonizado por jovens sambistas cariocas nos idos de 2013. O fato ocorreu no movimento #ocupacamara. Faço minha a frase do Chicó – personagem de Ariano Suassuna na peça “Auto da compadecida” – como foi? Não sei, só sei que foi assim!

A galera do samba tinha marcado presença na escadaria da Câmara dos Vereadores em solidariedade à moçada que mantinha a ocupação do lugar desde o início da CPI dos ônibus integrada por quatro notórios pizzaiolos, que hoje, na certa, devem estar felizes com o festival de regalias que brotam feito semente no Palácio do Planalto.

#ocupacamara

Pois é, para não perder o rumo da conversa lembro que, lá pelas tantas e enquanto a roda rolava na escadaria, a moçada viu subir, com certa apreensão, uma fileira de policiais que acabou cercando os músicos. Acho que alguém comentou baixinho que a roda ia engrossar, mas, pelo sim, pelo não, o pessoal continuou cantando como se não fosse com eles.

De repente, um dos fardados deu voz de comando:
-Dá pra levar um Bezerra da Silva?
No bate pronto, a rapaziada mandou o samba abaixo.

www.youtube.com/watch%3Fv%3Dd2u8TAedFDA

A Semente

Meu vizinho jogou
Uma semente no seu quintal
De repente brotou
Um tremendo matagal (Meu vizinho jogou…)

Quando alguém lhe perguntava
Que mato é esse que eu nunca vi?
Ele só respondia
Não sei, não conheço isso nasceu ai

Mas foi pintando sujeira
O patamo estava sempre na jogada
Porque o cheiro era bom
E ali sempre estava uma rapaziada

Os homens desconfiaram
Ao ver todo dia uma aglomeração
E deram o bote perfeito
E levaram todos eles para averiguação e daí…

Na hora do sapeca-ia-ia o safado gritou:
Não precisa me bater, que eu dou de bandeja tudo pro senhor
Olha aí eu conheço aquele mato, chefia
E também sei quem plantou

Quando os federais grampearam
E levaram o vizinho inocente
Na delegacia ele disse
Doutor não sou agricultor, desconheço a semente

Esse post foi publicado em Cidade, Crônicas, Música, Memória, Textos. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.