Saber e não saber… eis a questão!


Cosmos Psi

hamlet

Por que saber nem sempre é suficiente?

Entre os questionamentos que surgem a partir da escuta clínica, e que fazem refletir, está o papel do saber durante o tratamento psicoterápico. Percebe-se que às vezes o sujeito possui consciência de que repete determinadas atitudes que são prejudiciais a si e/ou aos outros, ou consegue relacionar os sintomas que apresenta a algum fato de sua vida, mas isso não produz modificações nos sintomas ou nas suas ações.  O que pode ser observado, portanto, é a existência de um saber do lado do sujeito que não faz efeito no sentido de uma mudança.

Para pensar a questão do saber durante o tratamento é preciso relacioná-lo ao mecanismo da repressão. Na teoria freudiana, os sintomas são o substituto de algo que foi afastado pela repressão. Segundo Freud (1937) as repressões ocorrem na primeira infância, sendo medidas de defesa feitas pelo ego imaturo. Posteriormente podem…

Ver o post original 1.653 mais palavras

Anúncios
Esse post foi publicado em Epistemologia, Psi, Textos. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s