Saudade do botequim.


Ontem fui no supermercado, na saída dei uma olhada no camelô que, na esquina, vendia livros usados dispostos sobre um plástico na calçada. Essa é uma atividade bastante comum por aqui. Eu mesmo, na última mudança, dei de presente, num ato de desapego, uma boa quantidade de livros para vários desses vendedores que fazem ponto nas proximidades da minha casa. A primeira vista os títulos oferecidos não eram muito estimulantes mas, de repente, meio oculto por baixo de um livro de autoajuda vislumbrei Romance Negro de Rubem Fonseca.

O primeiro conto, A arte de andar nas ruas do Rio de Janeiro, aumentou minha saudade da cidade, interditada pela pandemia. O personagem, depois de percorrer a pé o centro da cidade, hoje totalmente abandonado, faz uma reflexão sobre uma das instituições cariocas que mais me atraem: os botequins. Augusto, o personagem central do conto, explicava para  sua companheira circunstancial que:

“Eu apenas queria dizer que havia uma infinidade de botequins espalhados pelo centro da cidade. E você sentava num botequim, não ficava em pé, como nós aqui, e havia uma mesa de mármore onde você podia fazer desenhos enquanto esperava alguém e quando a pessoa chegava você podia ficar olhando para a cara dela enquanto conversava”.

Pois é, duas saudades simultâneas, o botequim e uma conversa olho no olho compartilhando uma cerveja e alguns petiscos.

Bar Paladino
Adega Flor de Coimbra.
Adega Pérola
Bar do Omar no Morro do Pinto

Sobre jorgesapia

Abduzido pela folia foi tentar entender esse fenômeno no bacharelado de Ciências Sociais da UFF e no Mestrado em Sociologia do IUPERJ. Com sua identidade secreta dá aulas de sociologia, cultura brasileira e Teoria Social do Carnaval em diversas instituições. Entre um semestre e outro, despede-se de seus alunos com um Meu Bem, Volto Já, saudação que acabou dando nome ao bloco que fundou no Leme. Durante o reinado de Momo compõe sambas para diversos blocos da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado . Guardar link permanente.

3 respostas para Saudade do botequim.

  1. mariel disse:

    Super me cuidando. Contato social perto do zero

    Curtir

  2. jorgesapia disse:

    Pena que ainda não dá para frequentar Mariel. Se cuida!

    Curtir

  3. mariel disse:

    Tbem gosto de boteco

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.