Baia da Guanabara.

IMG_8991

Publicado em Fotos, Textos | 1 Comentário

LUIZ MELODIA (1951-2017) MORREU… VIDA LONGA À MELODIA! Aos 66 anos, cantor e compositor perde a batalha contra câncer na medula óssea

Devo de ir fadas
Inseto voa em cego sem direção
Meu bem te vi nada
Ou fada borboleta ou fada canção
As ilusões fartas
Na fada com varinha virei condão

A CASA DE VIDRO.COM

ABUNDANTEMENTE MORTE – Luiz Melodia

Sou peroba
Sou a febre
Quem sou eu
Sou um morto que viveu
Corpo humano que venceu
Ninguém morreu
Ninguém morreu
Ninguém morreu

Tabuletas
Grandes letras feito eu
Abundantemente breu
Abundantemente fel
Ninguém morreu
Ninguém morreu
Ninguém morreu

Conforme fiquei
O tempo me embalava
Se a chuva é mais forte
A enchente levava
Colete de couro
Com fios de nylon
No dia seguinte
O seguinte falhou

A dança da morte
Ninguém frequentava
A cruz a distância
Do povo de nada
Um morto mais vivo
De vida privada
No dia seguinte
O seguinte falhou

OUÇA OS DISCOS:

* Pérola Negra:

* Mico de Circo:

* Felino (1973):

* Maravilhas Contemporâneas (1976):

* Claro (1987):

COMPARTILHE NO FB

Ver o post original

Publicado em Textos | Deixe um comentário

Outras sublevações

No carnaval de 2003, as vésperas da guerra do Golfo, fizemos (Galloti, Marceu, Janjão, Samir e eu) o samba No meu Suvaco há pelos pela paz,  para o bloco Suvaco de Cristo. Desde o carnaval anterior  o bloco tinha mudado o horário do desfile como estratégia para resolver os problemas decorrentes do gigantismo e da incomoda presença dos Pitboys que  resolviam incorporar – o que mais tarde seria classificado como Bolzomito – no carnaval de rua, aquilo que tem de melhor: truculência, covardia, misoginia e outras tias.

Lembrei do samba num momento de aflição pela votação de ontem, no Congresso, que de nacional pouco tem e que resolveu, em nome da estabilidade, fingir que não houve mala, compra de votos, flagrante de ameaça de assassinato e troca de um time inteiro de Ministros  que reincorporaram a identidade parlamentar para engrossar o coro dos contentes.  Não tive como, ao lembrar do samba, não trocar fiscal por deputado federal nessa rápida atualização do samba.

Talvez por essa breve insurgência, que fala da potência da alegria que teima em se fazer presente, li com prazer matéria que abaixo compartilho e que fala do samba como resistência, como sublevação, como operador de sentido numa cidade cada dia mais dicotomizada pelos bispos dos apocalipse. Assim que nessa eterna luta entre o bem e mal…recomendo ouvir a safra de belos sambas que resolveram marcar posição nessa disputa.

Abaixo

 

 

Hoje eu acordei mais cedo

Vim pro suvaco

Pra ver o seu sorriso

Já caí em tentação

Tô mais feliz que fiscal no paraíso

Nessa eterna luta entre o bem e o mal

Um diz que é santo

E que o mundo é seu quintal

Mas se o Jardim de Alah é do Hussein

E o meu Botânico de quem?

Depois de escapar de um canhão        (BUUUUUSH)

Tropecei na mina

Desgovernado, pra lá de Bagdá

Numa batalha de confete e serpentina

Já bebi como um camelo no deserto

E estou pronto pra fazer a inspeção

Seu arsenal, eu quero ver de perto

Vem meu amor vamos curtir essa explosão

 Bomba! Bomba! Bateria

Detona que eu quero é mais

No meu bloco a invasão é de alegria

Há pelos no Suvaco pela paz             

 Boa leitura!

http://carnavalizados.com.br/noticias/crivella-ouca-os-5-sambas-enredo-ja-definidos-para-o-carnaval-de-2018/

https://www.youtube.com/watch?v=6xfis_FiDUQ

Publicado em Carnaval, Cidade, Textos | 3 Comentários

Sublevaciones

 

Acabei de chegar de um rápido passeio por Buenos Aires. Suficiente para comer algumas porções de pizza com faina, de curtir alguns dos cafés tradicionais da cidade, de ir à Boca por Laguna e de visitar alguns museus. Um deles o MUNTREF Museo de la Universidad Nacional de Tres de Febrero, localizado no antigo Hotel dos Inmigrantes, cuja construção começou em 1905, sendo inaugurado em 1911. Boa parte da história argentina se alojou no espaço do Hotel, hoje transformado em centro de Memória.

O centro de memória recebeu a exposição Sublevaciones com curadoria de Georges Didi-Huberman.

sublevaciones

 

Deixo aqui o texto que abre a exposição:

¿Qué nos subleva? Una serie de fuerzas: psíquicas, corporales, sociales. Con ellas transformamos lo inmóvil en movimiento, el abatimiento en energía, la sumisión en rebeldía, la renuncia en alegría expansiva. Las insurrecciones ocurren como gestos: los brazos se levantan, los corazones palpitan más fuerte, los cuerpos se despliegan, las bocas se liberan. Las sublevaciones no llegan nunca sin pensamientos, que a menudo se convierten en frases: la gente reflexiona, se expresa, discute, canta, garabatea un mensaje, fabrica un cartel, distribuye un panfleto, escribe un libro de resistencia.

Son formas, gracias a las cuales todo esto podrá aparecer, hacerse visible en el espacio público. Se trata, pues, de imágenes; a ellas está dedicada esta exposición. Imágenes de todos los tiempos, desde Goya hasta hoy, y de todo tipo: pinturas, dibujos o esculturas, películas o fotografías, videos, instalaciones, documentos… Dialogan más allá de las diferentes épocas. Aparecen en un relato donde se presentan en sucesión elementos desencadenados, cuando la energía del rechazo se apodera del espacio entero; gestos intensos, cuando los cuerpos saben decir “¡no!”; palabras exclamadas, cuando la palabra presenta una denuncia ante el tribunal de la historia; conflictos enardecidos, cuando se levantan las barricadas y la violencia se hace inevitable; finalmente, existen deseos indestructibles, cuando la potencia de las sublevaciones consigue sobrevivir más allá de su represión o de su desaparición.

De todas maneras, cada vez que se levanta un muro, habrá “insurrectos” para “saltarlo”, es decir, para atravesar las fronteras. Aunque solo fuera imaginando. Como si inventar imágenes contribuyera –unas veces modestamente, otras con fuerza– a reinventar nuestras esperanzas políticas.

Georges Didi-Huberman

 

Publicado em Cidade, Cultura Popular, Democracia, Direitos, Memória | Deixe um comentário

I SEMINÁRIO: ESTADO, TRABALHO, EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: O PENSAMENTO CRÍTICO LATINO-AMERICANO.

I SEMINÁRIO: ESTADO, TRABALHO, EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: O PENSAMENTO CRÍTICO LATINO-AMERICANO, a ser realizado de 27 de novembro a 1º de dezembro de 2017, na Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (FEUFF). As inscrições serão realizadas a partir de 1º de setembro. Seguem no anexo arquivos (PDF e JPG) contendo a ementa, programação e informações.

 

CARTAZ_ EMENTA_ PROGRAMAÇÃO_ INFORMAÇÕES

Para maiores informações e  e inscrição acesse:https://sites.google.com/view/gpeted/i-semin%C3%A1rio-estado-trabalho-educa%C3%A7%C3%A3o-e-desenvolvimento-2017?authuser=0 ou: gpetedseminario2017@gmail.com

Publicado em Congressos/seminários, Textos | Deixe um comentário

Ça décoiffe…

La Page @Mélie

Quand il fait chaud, on se sait pas quoi faire de ses cheveux…

Rob the Original, lui, le sait : Il coupe, il rase, mais pas n’importe comment !
Rob est un coiffeur   pas comme les autres du côté de San Antonio . Il ne fait pas n’importe quelle coupe . Sur le crâne de ses clients, il crée des paysages et des portraits, le plus souvent de célébrités. Des dessins tondus dans le cuir chevelu qu’il réalise en une quarantaine de minutes.
Résultat: des coupes de cheveux assez originales…

coiffures-bizarres-de-rob-the-original-coiffeur-san-antonio-1Tout a commencé il y a huit ans quand un enfant lui a demandé de tracer dans ses cheveux des petits tourbillons. À partir de ce moment, tondeuse et lame de rasoir sont devenus des pinceaux et une véritable passion pour le jeune homme originaire de Los Angeles.

DesktopEt quand Rob The Original, comme il se fait appeler, n’est…

Ver o post original 40 mais palavras

Publicado em Textos | Deixe um comentário

O Samba e as políticas públicas de cultura.

A imagem pode conter: texto

Publicado em Congressos/seminários | Deixe um comentário